+351 253 818 115

Três Bagos Sauvignon Blanc 2019

Cor viva citrina limão. No nariz, é fresco e bastante aromático, manifesta notas de fruta tropical bem madura a contrastar com fruta mais fresca como ananás e melão, e com notas vegetais como espargos. Com entrada fresca, revela-se muito frutado e equilibrado. Apresenta uma boa acidez, suportada por sabores a fruta madura, algumas notas tropicais que o caracterizam e conferem equilíbrio. Final longo e persistente. Boa capacidade de evolução.

10,45 €
IVA a 13% incluído

Ref. 1678


EAN
5604086201020

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
13º

Produtor
Lavradores de Feitoria

Pais de origem
Portugal

Região
Douro

Tipo de produto
Vinho de Mesa Branco

Saúde
Contém Sulfites

Castas
Sauvignon Blanc

Descrição

Vinificação :  80% fermenta em inox; 20% em barricas de carvalho francês novas.

Estágio: 80% do lote em inox; 20% em barrica de carvalho francês novas durante 4 a 5 meses.

Notas do Produtor :  "Este é um vinho da casta Sauvignon Blanc proveniente das vinhas da Casa de Mateus. Pretendeu-se criar um vinho com aromas frescos intrínsecos à casta, que com o tempo de estágio em madeira obtivesse uma estrutura, que associada à sua frescura lhe garantisse um bom potencial de evolução..."

Informação Complementar

Produtor | Lavradores de Feitoria : surge quando o Douro se afirma como valor vitivinícola mundial, reforçando dois adjectivos para os vinhos da região: a elegância e o equilíbrio.

Todos os vinhos da Lavradores de Feitoria – desde o grande consumo até à grande guarda – são equilibrados, elegantes e orientados para a boa gastronomia, mas sempre com um cunho do carácter do Douro. Deve esperar-se, e exigir-se, a personalidade forte de cada marca enquanto expressão de terroir, de conceito, ou mesmo de fantasia.

a Lavradores de Feitoria são produzidos vinhos de lote e o que chamamos vinhos de terroir. Os primeiros – sob as marcas Lavradores de Feitoria, Gadiva, Cheda e Três Bagos – são feitos a partir de uma rigorosa selecção das uvas das diversas quintas e revelam a complexidade, a riqueza e a tradição de lote dos vinhos do Douro. Já os vinhos de terroir, nos quais se incluem as marcas Meruge e Quinta da Costa das Aguaneiras, pretendem reflectir o carácter e individualidade de uma determinada parcela de vinha.