+351 253 818 115

Quinta Varzea da Pedra Arinto Branco 2018

Vinho de cor cítrica, com aroma mineral muito pronunciado, típico da casta e da influência da proximidade com o Oceano Atlântico. Muito fresco e intenso na boca, com um final de boca muito persistente.

11,35 €
IVA a 13% incluído
Nota: este produto deverá ser encomendado em quantidades múltiplas de 6, ou seja 6, 12, 18, 24, etc...

Ref. 4022


EAN
5600735368021

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
13º

Pais de origem
Portugal

Região
Lisboa

Tipo de produto
Vinho de Mesa Branco

Castas
Arinto

Descrição

REGIÃO DOC Óbidos (Lisboa)
OCEANO ATLÂNTICO: 20km / SERRA DO MONTEJUNTO: 15km / LAGOA DE ÓBIDOS: 20km
CLIMA Atlântico, influenciado pelo mesoclima da Serra do Montejunto e da Lagoa de Óbidos.
VINIFICAÇÃO: Vindima Manual para caixas de 10kg, com desengace total, prensagem suave
e fermentação em inox.
FERMENTAÇÃO Em depósito de inox
ESTÁGIO 12 meses sobre borras finas depósito de inox
PRODUÇÃO 3406 garrafas
HARMONIZAÇÃO: Ideal para pratos de mar, em especial marisco, bem como algumas carnes
(aves e porco) e queijos curados

Informação Complementar

Quinta Varzea da Pedra
Dois irmãos renasceram uma quinta de Bombarral. Começaram por recuperar e reconverter vinhas, investiram na melhoria da adega e lançaram os primeiros quatro vinhos.

Dar sentido e uso a uma propriedade levou dois irmãos a lançarem-se na atividade vitivinícola e fruteira. Situada numa das extremidades da vila de Bombarral, a Quinta Várzea da Pedra começou a engarrafar os seus primeiros vinhos.

A Quinta Várzea da Pedra tem cerca de 26,5 hectares, dos quais oito têm vinha plantada e quase 9,5 hectares estão ocupados com pomar de pera rocha, destes pouco mais de seis hectares estão em produção. A área de vinho irá aumentar até aos 17 hectares, com o aproveitamento de outros terrenos.

Alberto Emídio, gerente comercial, e Tomás Emídio, designer, levaram anos a decidir mas em 2015 tomaram a decisão. A propriedade foi comprada no início do século XX por um bisavô e foi ocupação durante alguns anos do avô. Mas a quinta estava a degradar-se e havia vontade em não a deixar cair e de a pôr novamente a produzir. A casa data de 1910 e os seus azulejos deram a inspiração para os rótulos dos vinhos. No projeto contam também com Sónia Emídio, mulher de Alberto, que trata de todas as burocracias e procedimentos.