+351 253 818 115

Quinta dos Avidagos Branco 2020

Cor citrina com reflexos palha.Aroma com boa intensidade onde sobressaem os frutos de árvore maduros.Paladar cremoso, com acidez equilibrada bom aroma de boca e final medianamente longo

5,95 €
IVA a 13% incluído
Nota: este produto deverá ser encomendado em quantidades múltiplas de 6, ou seja 6, 12, 18, 24, etc...

Ref. 878


EAN
5600330820627

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
12,5º

Produtor
Quinta dos Avidagos

Pais de origem
Portugal

Região
Douro

Tipo de produto
Vinho de Mesa Branco

Saúde
Contém Sulfites

Castas
Malvasia Fina, Gouveio Real e Vital.

Descrição

Vinificação: Vindima manual para pequenas caixas. Desengace total. Ligeira maceração pelicular.Fermentação com controlo da temperatura em cuba inox. Estágio sobre borras finas com batonnage periódica até ao engarrafamento.

Sugestão Gastronómica: Aconselhamos o consumo deste vinho acompanhado por um prato de peixe , carnes brancas grelhadas.

Informação Complementar

Produtor | Quinta dos Avidagos:  A primeira quinta está na família desde 1670. Hoje já são 4 quintas, com 80 hectares ao todo: Firvida e Além Tanha, Avidagos, Torrão e Varanda. A tradição sempre foi vender as uvas às Casas do Vinho do Porto mas, a partir de 1996 começam os primeiros ensaios para produção própria na Quinta dos Avidagos.

As Quintas da Firvida, Torrão e Varanda já vêm incluídas no mapa do país vinhateiro feito pelo Barão de Forrester no sec XIX. Em 1999, foi contruída uma adega com os mais recentes avanços tecnológicos que permite produzir vinhos de grande qualidade. Ao mesmo tempo, o antigo armazém de Vinhos do Porto foi remodelado para poder servir também de local de estágio para as barricas.

 

Neste momento, a Quinta dos Avidagos tem uma gama extensa que vai do Avidagos Branco, Rosé e Tinto ao Quinta dos Avidagos Reserva Branco, Rosé e Tinto, Quinta do Além Tanha Tinto e Quinta dos Avidagos Grande Reserva Tinto. Atualmente também com Vinho do Porto.

As castas autóctones, como a Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz para os tintos e o Gouveio, Rabigato ou Viosinho para os brancos, permitem-nos obter toda a personalidade e o carácter dos "terroirs" do Douro.

Juntando enologia de vanguarda com a tradicional pisa a pé, em lagares de granito, o objetivo é produzir vinhos de excelente qualidade, de perfil internacional e com o carácter da nossa terra.