+351 253 818 115

Quinta da Pedra Escrita Branco 2018

Aroma altamente cítrico e mineral, notas de toranja, discretas frutas tropicais e flores silvestres, acentuadas por uma forte mineralidade do solo puramente granítico, com uma fumaça muito discreta. Na boca é extremamente fresco e persistente, com toques cítricos vibrantes que produzem uma combinação muito elegante, com uma acidez fresca e duradoura.

12,30 €
IVA a 13% incluído

Ref. PEDB147502


EAN
5609851520924

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
12,5º

Produtor
Rui Roboredo Madeira

Pais de origem
Portugal

Região
Douro

Tipo de produto
Vinho de Mesa Branco

Saúde
Contém Sulfites

Castas
Alvarinho,Rabigato,Verdelho,Viognier

Descrição

Vinificação: Uvas colhidas manualmente em pequenas caixas perfuradas de 15 Kg, tecnologia de fermentação a frio em ambiente redutivo, com temperatura controlada a cerca de 16 ºC, trituração e prensagem muito suaves em atmosfera inerte para preservar todo o potencial aromático das uvas. Fizemos um grande esforço para que todas as operações de pré-fermentação sejam realizadas com maior precisão, porque é responsável pela qualidade intrínseca do futuro vinho. Este vinho fermentou em carvalho francês usado e permanece lá após uma breve estocagem em borras finas com agitação regular, até a confecção da mistura final no final da primavera. Fermentação e envelhecimento em carvalho francês com battonage até o enchimento em março, com pelo menos 4 meses em garrafa.

Informação Complementar

Produtor | Rui Roboredo Madeira  : Numa das zonas mais remotas da península ibérica, na zona raiana entre o Douro Superior e a Beira Alta, foi em família que nasceu a paixão de Rui Madeira pelos aromas e cheiros desta terra que nos moldam o carácter. Depois de ter contactado com muitas culturas de viver e fazer os vinhos, em vários ponto do globo, o produtor regressou ao grande vale do Douro convicto do enorme potencial para fazer dos melhores vinhos do mundo. Em respeito pela natureza, pela forma como cultivam as vinhas, os vinhos reflectem as vivências, que cheiram e sabem à terra, ao xisto, ao granito molhado, à esteva, às flores e frutos do campo. É na Adega que são feitos os vinhos com o carácter do ‘terroir’, expresso pelas castas autóctones, a que se junta um estilo próprio e um perfil internacional.