+351 253 818 115

Palácio da Brejoeira Bagaceira Aguardente Velha NV

Aparência e cor clara e âmbar. Apresenta aromas suaves e palato e palato aveludado, denunciando suas origens, o que o torna surpreendentemente agradável.

115,90 €
IVA a 23% incluído

Ref. 2994-velh


EAN
5601876000023

Capacidade
0,70l

Teor d'alcool
40º

Produtor
Palacio da Brejoeira

Pais de origem
Portugal

Região
Vinho Verde

Tipo de produto
Aguardente

Castas
Alvarinho

Descrição

Denominação: Obtido na destilação do vinho Albariño, após ser selecionado, é armazenado em barricas de carvalho francês (Limousin e Angoulême), permanecendo a uma temperatura constante na adega do antigo Palácio Brejoeira no palco, entre 10 a 12 anos. Após o período de envelhecimento de vários barris, procede-se à preparação do lote correspondente. Depois de filtrado, é engarrafado e mantém por mais algum tempo o estágio nas adegas da vinícola. Aparência e cor clara e âmbar. Apresenta aromas suaves e palato e palato aveludado, denunciando suas origens, o que o torna surpreendentemente agradável.

Informação Complementar

Produtor | Palacio da Brejoeira : sempre produziu vinho, embora sem a importância que assumiu a partir de 1976, altura em que foi lançada a marca “PALÁCIO DA BREJOEIRA”.
Antes da instalação da vinha de Alvarinho,o vinho era destinado ao consumo familiar ou vendido a granel para pequenas mercearias, com as castas Bracelho, Pedral e Negrão (Vinhão).
Em 1964 a Senhora Dona Maria Hermínia d’Oliveira Paes procurou o Engenheiro João Simões de Vasconcelos, com quem se aconselhou, iniciando nesse ano,com a assessoria deste na vinicultura, a plantação dos primeiros hectares de vinho Alvarinho.Contou mais tarde com o apoio do Engenheiro Agrónomo Amândio Galhano, na enologia.
Já em 1974 a Senhora Dona Maria Hermínia d’Oliveira Paes construiu uma adega com todas as condições necessárias para a produção de vinho Alvarinho e dois anos mais tarde, em 1976, o seu sonho é realizado: é lançado o “PALÁCIO DA BREJOEIRA” Alvarinho, engarrafado na origem.
Maria Hermínia d’Oliveira Paes residiu na área privada do Palácio até à data do seu falecimento, que ocorreu a 30 de dezembro de 2015