+351 253 818 115

Kopke Reserva Branco 2019

Intensa expressividade aromática. Surge repleto de notas a fruta amarela, com nuances de tosta fina e um toque a especiarias. Excelente cremosidade e acidez em boca. Impressionante e sumptuosa mineralidade. Final persistente, inquietante e vigoroso.

16,65 €
IVA a 13% incluído

Ref. KOPB137573


EAN
5601194706638

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
13º

Produtor
Kopke

Pais de origem
Portugal

Região
Douro

Tipo de produto
Vinho de Mesa Branco

Saúde
Contém Sulfites

Castas
Viosinho, Arinto, Folgasão

Descrição

Vinificação e Estágio: Vindima manual. Maceração pelicular por 10 horas, com fermentação em barricas de carvalho francês. Estagiou 6 meses nas mesmas barricas, com método de "bâttonage".

Informação Complementar

Produtor | Kopke: Fundada em 1638, a casa de vinho Kopke ostenta o título de mais antiga produtora de Vinho do Porto. Celebrou este ano o seu 375º aniversário, uma longevidade que se converteu em saber, experiência e prestígio, afirmando-se como uma das emblemáticas casas de vinho do Porto, com provas também dadas nos vinhos DOC Douro que produz. Distingue-se pela qualidade excecional dos seus vinhos, sendo notabilizada como a maior referência na categoria de vinhos do Porto “Colheita”, a jóia dos Tawnies. A proeza de uma casa secular internacionalmente aclamada, que desafia a modernidade preservando os seus valores e honrando o labor de gerações.

Uma família alemã, de nome Kopke, originária de Hamburgo, veio fixar-se em 1636 em Lisboa onde Nicolau Kopke desempenhou o cargo de Cônsul Geral da Liga Hanseática.

Dois anos mais tarde, em 1638, seu filho Cristiano Kopke estabeleceu-se no Porto como comerciante e exportador de produtos portugueses, sendo ao mesmo tempo Cônsul no Norte, e deu início à exportação também de Vinhos de Mesa produzidos na região, como parte do seu negócio.

Quando o vinho – agora chamado Vinho do Porto – foi reconhecido, a Casa Kopke que é hoje em dia a mais antiga firma exportadora de Vinho do Porto, tornou-se um dos leaders de tal comercialização (1670/1680).