+351 253 818 115

Aphros Phaunus Amphora Vinhão Biologico Tinto 2017

Opaco e rubi, Intensidade média, leve floral, folhas secas, morango maduro, romã, groselha, barro, terra molhada e leve mel. Na boca, intensidade média, seco, tanino áspero, acidez alta, corpo médio, vegetal, amora, morango, groselha e final longo.

24,70 €
IVA a 13% incluído

Ref. AphPhaAmpVinBioTin01


EAN
5600329048896

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
12,5º

Produtor
Aphros

Pais de origem
Portugal

Região
Vinho Verde

Tipo de produto
Vinho de Mesa Tinto

Saúde
Contém Sulfites

Castas
Vinhão

Descrição

VinificaçãoColhidas trituradas, desengaçadas e prensadas por processos artesanais / fermentação espontânea com películas em ânforas de barro, forradas com cera de abelha / envelhecimento “sur lies” 3 meses / engarrafamento

Informação Complementar

Produtor | Aphros Wine : é um projeto iniciado pelas mãos do arquiteto Vasco Croft que quis ser pioneiro na implementação da agricultura biodinâmica. Iniciou em 2003, na quinta que herdou datada do século XVII.

O projeto começou sob o nome comercial Afros, rótulo fundamentado em Afrodite, a deusa grega do amor e da beleza, padroeira de um projeto original que entretanto cambiou para a denominação atual, Aphros. O projeto saiu do empenho pessoal de Vasco Croft, arquiteto de formação que apesar do apelido familiar não alega qualquer relação de parentesco com a casa de Vinho do Porto homónima. Apesar de lisboeta, Vasco Croft cedo se habituou a visitar a quinta da família nas longas férias de verão, período durante o qual aproveitava todas as oportunidades para se aventurar na região minhota de Ponte de Lima. A quinta manteve uma atividade agrícola persistente, produzindo, à época, vinho para terceiros. Após a revolução de abril, período durante o qual a família se viu obrigada a transladar-se para a quinta, e com a alteração do tecido social da região e o despertar do setor cooperativo, a quinta passou a entregar as uvas na Adega Cooperativa de Ponte da Barca, destino que se manteve durante as décadas de 80 e 90 do século passado.

Em 2009 ganhou a medalha de ouro no Mundus Vini na Alemanha, produtor revelação em 2012 e eleito "Os melhores do ano de 2013" pela revista Vinhos.