+351 253 818 115

Flor de São José Branco 2019

Com uma cor cítrica, o vinho mostra-se inicialmente muito discreto, com notas muito frescas, frutas cítricas, grapefruit, tostar um pouco de luz, algumas que posteriormente evoluíram com notas minerais, mais discretas e muito complexas. Na boca mostra uma equilibrada, com uma acidez fresca e viva, delicada e complexa, cheia e volumosa com um bom caráter de fruta, excelente equilíbrio entre álcool, fruta e acidez e um final muito fino e longo.

11,75 €
IVA a 13% incluído

Ref. saojoseflor


EAN
5601636290176

Capacidade
0,75l

Teor d'alcool
13º

Produtor
Quinta São José

Pais de origem
Portugal

Região
Douro

Tipo de produto
Vinho de Mesa Branco

Saúde
Contém Sulfites

Castas
Viosinho,Rabigato,Gouveio

Descrição

Vinificação: As uvas que deram origem a este vinho vieram das áreas mais altas do Douro, com uma altitude entre 450 e 500 metros, permitindo uma boa faixa de temperatura, ou seja, calor durante o dia e frio à noite. Estas condições são extremamente importantes para amadurecer lentamente, a fim de preservar os sabores da variedade de uvas, sua frescura e acidez. As uvas são colhidas por variedades de uvas e parcelas em caixas de 44 libras, e colocadas no frio a 5 / 6ºC. Depois de totalmente perseguidos, são esmagados. O mosto foi sutilmente pressionado e decantado até a limpidez necessária. Fermentou em uma temperatura entre 15 e 16ºC em tanque durante três semanas, a fim de aprimorar os sabores primários. Todos os meses, era feita uma remontagem para suspensão de borras. O vinho foi submetido à coação antes do engarrafamento.
 

Informação Complementar

Produtor: O vinho corre nas veias deste descendente em linha directa de Dona Antónia Ferreira, a Ferreirinha. João Brito e Cunha é um dos exemplos da nova geração de enólogos e produtores que se instalaram no Douroe lançaram projectos pessoais. A Quinta de S. José é um projecto familiar que começou em início de 1999, pela vontade do Pai de João, Ruy Brito e Cunha devido à excelente localização das casas da Quinta, praticamente em cima do rio. As casas foram recuperadas, respeitando o seu enquadramento e materiais típicos da região do Douro.